Será que o Apple Watch está preparado para monitorar seu coração?

O anúncio da Apple de que a próxima iteração do Apple Watch pode  monitorar o ritmo cardíaco do usuário e, se uma leitura suspeita surgir, realizar um eletrocardiograma, pode ser um benefício para os usuários e seus médicos. Ou pode ser uma enorme dor de cabeça para o sistema de saúde.

O novo relógio monitora continuamente a frequência cardíaca do usuário, utilizando uma luz brilhante refletida na parte de trás do pulso. Um algoritmo analisa a luz que é refletida de volta, que muda com cada pulso. Se uma leitura suspeita aparecer, o relógio notifica seu usuário, que pode então fazer o relógio realizar um eletrocardiograma. Esse teste oferece uma imagem mais sensível e precisa do ritmo do coração.

De acordo com a Food and Drug Administration, que elucudou as aplicações de monitor e  eletrocardiograma da Apple, o  aplicativo de monitoramento e notificação contínua não é para pessoas com menos de 22 anos ou aqueles diagnosticados com fibrilação atrial, uma frequência cardíaca irregular e muitas vezes rápida que afeta até  6 milhões de americanos . A fibrilação atrial provoca em algumas pessoas sintomas como fadiga e falta de ar, e aumenta o risco de ter um derrame de quatro ou cinco vezes.

Segundo Anthony Pearson - cardiologista com grande interesse em problemas de ritmo cardíaco -, ele descobriu dispositivos que fazem coisas parecidas com o que a Apple diz que seu relógio fará para ser inacreditavelmente útil para os pacientes com fibrilação atrial.

A fibrilação atrial vem e vai. Não muito tempo atrás, para diagnosticar definitivamente, os médicos tinham que confiar em pacientes que experimentavam um episódio de fibrilação atrial enquanto estavam na sala de exame, ou vendo isso na gravação de um monitor Holter. Isso mudou quando a  FDA aprovou  em 2013 um dispositivo feito pela  AliveCor  chamado  KardiaMobile EKG e também o Implantable Loop Recorder - ILR. Revolucionaram a forma como aquele os médicos cardiologistas assistia seus pacientes com fibrilação atrial.

product-share-img.png
6_canby_fig_1.png

Esse pequeno dispositivo de US$ 99 pode capturar um eletrocardiograma com acurácia médico-técnico em cerca de 30 segundos e, com uma precisão razoável, interpreta o eletrocardiograma como normal, não classificado ou, possivelmente, fibrilação atrial. Uma vez que um dos pacientes faz um eletrocardiograma e envia um alerta, o médico cardiologista pode avaliar o ritmo cardíaco do paciente na nuvem e ver se ele está na faixa normal ou é preocupante. 

Se o Apple Watch pode fazer a mesma coisa, há muitos médicos ansiosos para testá-lo. Mas isso vai custar muito mais do que os devices que já estão no mercado e não sabemos quão preciso é o teste .

O Dr Anthony Pearson alega que tem algumas reservas sobre o Apple Watch como um monitor de ritmo cardíaco, especialmente entre pessoas saudáveis. “Sabemos muito sobre o coração, mas muitas vezes pode apresentar truques inócuos.” A Apple alega que seus algoritmos de sensor óptico podem detectar a fibrilação atrial, e o relógio avisará os usuários quando estão nesse ritmo cardíaco perigoso, baseado no que o sensor óptico diz. Isso pode enviar muitas pessoas cujos corações estão indo perfeitamente bem para seus médicos para testes desnecessários e potencialmente prejudiciais.

Além disso, também não sabemos quão precisos são os eletrocardiogramas da Apple. O Dr. Anthony Pearson disse que ficou chocado que o FDA liberou este aplicativo, já que não vi nenhum dado nele.

O Apple Watch essencialmente diz: “Sua frequência cardíaca é normal" ou "Você está tendo fibrilação atrial". Mas a maioria das pessoas que têm seus ritmos cardíacos medidos acabam não classificados, em algum lugar entre um ritmo cardíaco normal e fibrilação atrial. Médicos gerais, e até mesmo cardiologistas, às vezes têm dificuldade em resolver o que é normal e o que é fibrilação atrial. Logo é importante saber como a Apple está planejando lidar com situações em que seu algoritmo ficar confuso com os dados.

O anúncio de um novo produto é meramente uma promessa para o futuro, por isso devemos “ficar de olho” no Apple Watch para ver como ele monitora os ritmos cardíacos e com qual precisão o eletrocardiograma é feito. Se faz um ótimo trabalho com eles, é uma ajuda bem-vinda ao crescente universo de  dispositivos pessoais de saúde . Se isso não acontecer, e os cardiologistas e os departamentos de emergência estiverem sobrecarregados com leituras de ritmo cardíaco falsamente preocupantes, talvez seja necessário reavaliar como dispositivos como o Apple Watch são revisados e avaliados.

Texto baseado em Anthony Pearson - cardiologista que bloga no  Cardiologista Skeptical